terça-feira, 1 de março de 2011

ESTE É O MEU QUERIDO IRMÃO CAÇULA – ERALDO BREVES (01.03.2011 - 20 ANOS DE SAUDADES)

Nascido em agosto de 1965, meu irmão caçula, foi a raspa de tacho, o último da série de 10, do casal Eduardo Breves e Nair Guedes Breves.


Temperamento fleumático (debochado, brincalhão), levava tudo na esportiva. Totalmente desapegado das coisas materiais. (Desapegado até demais! Explico o por que: Um dia, quando trabalhava na Cooperativa de Barra Mansa, no dia do pagamento, voltou com roupa nova prá ele e chegando em casa já foi dando a roupa prá um irmão. E disse que tinha comprado uma blusa e já tinha dado prá um colega de trabalho)

Por ser muito brincalhão, não levava muito a sério as coisas da Igreja. Num determinado dia minha esposa Tânia pegou no seu pé e lhe falou acerca da eternidade e da necessidade de aceitar Jesus como Senhor e Salvador. Ele ouvia com atenção e sorria no final.


Ele gostava de ficar na minha casa, ouvindo hinos e uma música clássica tocada só em piano. As vezes eu o pegava de pé, junto ao aparelho de som, ouvindo a música “Em algum lugar do passado”, pensando Deus sabe no que.

Um dia eu disse a Ele que iria começar uma Classe de Batismo na Igreja do Jardim América, com o Pastor Alexandre Reis. Ele relutou e eu disse que iria com ele, ainda que atrasasse um pouquinho eu iria com ele.

Ele começou a fazer a Classe, mas logo, conseguiu um emprego na firma R. J. de Oliveira Neto, de venda de peças de automóveis. Serviço este que se estendia pelos domingos.

Trabalhou também em Angra dos Reis, numa empreiteira da Verolme, morando uns tempos com minha irmã Neuza em Jacuacanga.


Depois voltou para Barra Mansa, e, no ultimo domingo de fevereiro de 1991, participou do Culto ao Ar Livre com o Cantor Maurão, no terreno do Colégio Joaquim Maria da Silva. Neste dia, comentou que estava colocando sua vida em posição com Deus.

Ninguém poderia imaginar que aquele seria seu último domingo de vida, nem ele!

Na sexta-feira, dia 1º de março de 1991, às 9:45 da manhã, ao retornar da empresa Barbará, foi colhido por um caminhão na Rodovia Presidente Dutra, no Bairro Monte Cristo.

Partiu muito novo, aos 25 anos. Mas, Deus sabe de todas as coisas. Ele nunca erra!

Minha mãe morava com ele, e, neste dia em especial, tinha ido à Niterói-RJ, para tratamento de Saúde.

Ao chegar, recebeu a notícia e à noite, enquanto seu corpo era velado, Deus tratava da família de modo especial.

Minha mãe teve um sonho, onde meu irmão aparece junto com um anjo. Meu irmão em silêncio e minha Mãe lhe pergunta: “O meu filho, por que você fez isso comigo”? O anjo, junto com ele, responde prá minha mãe: - Ele foi tirado na hora certa!

Minha irmã em Angra dos Reis, muito abalada pede uma palavra com Deus na Bíblia e Deus lhe fala em Isaias 57:1 “Morre o justo e não há quem considere isso em seu coração, e os homens bons são retirados, sem que alguém considere que o justo é levado antes do mal.”

A dor é inevitável, pois o homem não nasceu para morrer. Mas, o consolo e a fidelidade de Deus transcendem todas as coisas e nos consola e nos enche de esperança de um dia estarmos juntos novamente.

“Crê no Senhor Jesus e será salvo tú e a tua casa” (Atos 16:31)

MEU QUERIDO IRMÃO: ERALDO BREVES (1965-1991)

Um comentário:

Daniela disse...

q triste né pai =(
Mas Deus sabe de todas as coisas!!

Um Beijo pai...
Te Amo...