sábado, 12 de abril de 2014

DIA DO(A) PASTOR(A) METODISTA

Um poema de Norma Bernardo


VIDA DE PASTOR 

Ele acorda, levanta, ajoelha e ora, louva, consagra, jejua, exorta, sorri e chora.
Aprende, ensina, repreende, consola e abençoa.
Glorifica, prega, unge, visita, compreende e perdoa.

Semeia, cultiva, colhe, alimenta e oferece.
Acalenta, socorre, profetiza,
peleja, vence e agradece.
Santifica, ouve e cala. Dá, recebe, restaura,
triunfa, edifica, sente e fala.
Vida de pastor....


Olha o relógio, já está atrasado! 
Se não tem carro, pega um ônibus apertado,
Vai ao hospital, presídio, velório, seja onde for
em busca da ovelha perdida,
pois ele é um pastor...


Seu corpo cansado aguarda
a hora de ir para a cama.
E quando isso acontece, logo o telefone chama.
Levanta apressado e reconhece a voz do outro lado;
é a ovelha aflita que precisa de cuidado.

E lá se vai o pastor, levando consolo ao coração aflito.
Dos seus olhos rola uma lágrima no lugar do grito.
É a dor que se transforma na alegria da compensação
por ter sido escolhido para tão sublime missão.
É tarde quando volta para casa,
e neste momento a esposa diz:
“Hoje é o nosso aniversário de casamento”.


O clima de festa, a mesa arrumada...
mas a comida esfriou...e sem jeito diz:
perdoa, meu amor, esta é a vida de pastor.

Fonte: www.igrejaempoa.com.br

quinta-feira, 3 de abril de 2014

FILME "A PAIXÃO DE CRISTO" DEIXA OS MUÇULMANOS IMPACTADOS

O FILME ‘A PAIXÃO DE CRISTO’ FOI LANÇADO EM NAÇÕES ISLÂMICAS


ORIENTE MÉDIO - Muçulmanos ouvem que o filme é anti-semita e vão aos cinemas. O filme "A Paixão de Cristo" foi lançado em várias nações no Oriente Médio. A agência de notícias Prayer News Alert remeteu dois relatórios interessantes do e do Kuweit e chama para orar pelo lançamento global do filme, onde muitas outras nações islâmicas permitirão o lançamento sem censura.

Por Mark Kelley
Joel News/Advance News

RELATÓRIO DO CATAR
Para a surpresa e choque de todos, o filme ‘A Paixão de Cristo’ estreou aqui no
Catar, dia 2 de abril. Até agora, nós pudemos mostrar secretamente o filme Jesus para uma minoria de catarianos em uma casa. Nas próximas semanas,
potencialmente, milhares de muçulmanos árabes verão este retrato poderoso do sofrimento e morte de Cristo.

Em um período de somente duas horas, mais catarianos ouviram do Evangelho do que eu pude alcançar em quase cinco anos vivendo aqui. A legenda árabe foi totalmente precisa – eles não suavizaram nada ou alteraram qualquer linguagem que os muçulmanos não concordassem. Todos nós assistimos ao filme completamente impressionados com o que Deus fez. Os muçulmanos que sentaram perto de nós foram tocados – alguns ficavam sem ar, choravam e outros reagiam com repugnância à brutalidade que Jesus enfrentou.

Contudo, se você ouviu alguma coisa sobre o porquê os muçulmanos árabes queriam ver o filme, você deve conhecer o verdadeiro motivo: é porque eles "ouviram" que o filme é antijudeu e, como eles odeiam judeus, eles querem vê-lo. O interessante de tudo isto é que Deus está usando este filme para comunicar o Evangelho e quem está motivando para que seja assistido pode ser o espírito contrário. A mensagem de amar seus inimigos e de Jesus orando por eles para que fossem perdoados enquanto Ele estava na Cruz tocou os freqüentadores muçulmanos do filme de forma poderosa.

Por favor, orem por estes pedidos urgentes: 


1. Que este filme tenha permissão para ser mostrado durante um período
significante. O filme tem sido mostrado em três teatros diferentes, até quatro
vezes ao dia. Os fundamentalistas certamente farão um tumulto sobre este evento nunca antes visto. Quando imaginamos que a televisão através de satélite iria ser a forma mais significante para o Senhor plantar as sementes do Evangelho, este filme chega nas nações muçulmanas!

2. Que este filme provoque uma grande sacudida nos corações de muitos
muçulmanos, levando-os a salvação.

3. Que Deus nos dirija aos homens e mulheres que foram e serão impactados por este poderoso filme.

RELATÓRIO DO KUWEIT
O filme ‘A Paixão de Cristo’ é tão popular aqui que outros filmes têm sido
cancelados para que este filme seja mostrado em todos os cinemas do complexo. Eu levei um amigo na segunda noite. O filme estava passando em todos os três cinemas. Eu avaliaria que bem mais de 50% das pessoas que estavam no cinema eram muçulmanos locais, incluindo mulheres completamente cobertas com véu. Você podia perceber como este filme impactou a todos. No segundo dia, muitos dos jornais locais anunciaram o filme na primeira página.

O lançamento foi muito oportuno. A morte do líder palestino Ahmad Yassin
aconteceu na manhã após a estréia do filme (21/03). A resposta árabe foi uma
grande e nova onda de ódio pelos judeus, que foi demonstrada por uma grande
manisfestação pública (27/03). Em um tempo em que o ímpeto dos muçulmanos de odiarem foi renovado, o Senhor trouxe ‘A Paixão de Cristo’, dizendo-lhes – “Não, amem seus inimigos! Perdoem-lhes!” O contraste é chocante.

Nota do jornal JOEL NEWS: O líder palestino Yasser Arafat assistiu a "A Paixão
de Cristo’ em uma tela particular na cidade West Bank de Ramallah, e fez uma
positiva afirmação a respeito do filme.

Somente hoje (02/04) duas mulheres locais me perguntaram, "Você tem o Novo
Testamento em árabe? Eu e todos os meus amigos queremos lê-lo!" Um outro me perguntou onde ele poderia conseguir uma Bíblia em árabe na internet. Isto nunca aconteceu anteriormente! O filme está gerando um interesse tão grande por Jesus e pelas Escrituras que todo o cristão com quem nós temos conversado parece ter uma história parecida como a destas duas mulheres. Que isto continue a aumentar.

Os jornais têm apresentado vários artigos sobre o filme. Todos estes jornais
surpreendentemente não falam nada sobre a ênfase da crença islâmica de que Jesus não morreu na cruz.

As pessoas estão falando a respeito de irem assistir ao filme. Orem para que
muitas pessoas o façam, e através do filme, despertem interesse e fome de
conhecer mais de Jesus e a Bíblia.

Orem para que os corações sejam alcançados pelo amor de Jesus. Orem para que cristãos aproveitem o máximo desta oportunidade para compartilharem com seus amigos e estarem disponíveis para aqueles que serão impactados pelo o que tiverem assistido.

Fonte: Joel News/Advance News

quarta-feira, 2 de abril de 2014

MALHAÇÃO DE JUDAS ISCARIOTES NO SÁBADO DE ALELUIA


Malhar o Judas é uma prática ainda muito comum no Brasil, apesar de o costume praticamente ter sido banido das grandes cidades por falta de locais adequados e dos perigos que representa. No interior, entretanto, a tradição continua viva, e os bonecos de palha ou de pano, pendurados em postes de iluminação pública e galhos de árvores, são rasgados e queimados no sábado de Aleluia.

Tradição popularíssima na Península Ibérica, radicou-se em toda a América Latina desde os primeiros séculos da colonização européia. No Rio de Janeiro oitocentista, os judas - com fogo de artifício no ventre - apareciam conjugados com demônios, ardendo todos numa apoteose multicolorida que o povo aplaudia.

No Brasil, é costume antigo fazer-se o julgamento de Judas, sua condenação e execução. Antes do suplício, alguém lê o "testamento" de Judas, em versos, colocado especialmente no bolso do boneco. O testamento é uma sátira das pessoas e coisas locais, com graça oportuna e humorística para quem pode identificar as figuras alvejadas.

Judas, apóstolo traidor, cognominado Iscariotes por ser oriundo de Carioth, cidade ao Sul de Judá, já um ano antes da Paixão de Jesus tinha perdido a fé no Mestre, mas continuava a acompanhá-lo por comodidade e para ir furtando do que ofereciam aos apóstolos.

Obcecado pelo dinheiro, antes de se afastar de Cristo, resolveu entender-se com os sinedritas - membros do Sinédrio, conselho supremo dos judeus -. Judas assistiu ainda à última ceia, em que Jesus revelou a sua traição, mas foi logo ao encontro dos inimigos de Cristo para cumprir o que tinha combinado e receber 30 dinheiros. Consumada a traição, arrependeu-se, quis restituir o dinheiro, mas, repelido pelos sacerdotes, enforcou-se numa corda.

segunda-feira, 31 de março de 2014

MENTIRA NÃO MERECE HOMENAGEM

DIA DA MENTIRA - ORIGEM

Existem inúmeras explicações para o 1º de abril ter se transformado no Dia da Mentira. Uma delas diz que a brincadeira surgiu na França. Desde o começo do século XVI, o Ano Novo era festejado no dia 25 de Março, data que marcava a chegada da primavera. As festas duravam uma semana e terminavam no dia 1 de abril. Em 1564, depois da adoção do calendário gregoriano, o rei Carlos IX de França determinou que o ano novo seria comemorado no dia 1 de janeiro.


Alguns franceses resistiram à mudança e continuaram a seguir o calendário antigo, pelo qual o ano iniciaria em 1 de abril. Gozadores passaram então a ridicularizá-los, a enviar presentes esquisitos e convites para festas que não existiam. Essas brincadeiras ficaram conhecidas como plaisanteries.Em países de língua inglesa o dia da mentira costuma ser conhecido como April Fool's Day ou Dia dos Tolos, na Itália e na França ele é chamado respectivamente pesce d'aprile e poisson d'avril, o que significa literalmente "peixe de abril".

O DIA DA MENTIRA - BRASIL

No Brasil, o 1º de abril começou a ser difundido em Minas Gerais, onde circulou "A Mentira", um periódico de vida efêmera, lançado em 1º de abril de 1848, com a notícia do falecimento de Dom Pedro, desmentida no dia seguinte. "A Mentira" saiu pela última vez em 14 de setembro de 1849, convocando todos os credores para um acerto de contas no dia 1º de abril do ano seguinte, dando como referência um local inexistente.

O DIA DA MENTIRA E A BÍBLIA
A Bíblia diz que a mentira não convém aos santos e que o diabo é pai dela. No livro de provérbios, capítulo 6 de 16 a 19 aprendemos que: "Seis coisas o SENHOR aborrece, e a sétima a sua alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal, testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia contendas entre irmãos."Caro leitor, quando a Bíblia afirma que Deus aborrece e abomina alguma coisa, devemos levar isso a sério.

Opte sempre pela verdade com amor!

domingo, 30 de março de 2014

1º DE ABRIL - DIA DA MENTIRA


DIA DA MENTIRA - ORIGEM

Existem inúmeras explicações para o 1º de abril ter se transformado no Dia da Mentira. Uma delas diz que a brincadeira surgiu na França. Desde o começo do século XVI, o Ano Novo era festejado no dia 25 de Março, data que marcava a chegada da primavera. As festas duravam uma semana e terminavam no dia 1 de abril. Em 1564, depois da adoção do calendário gregoriano, o rei Carlos IX de França determinou que o ano novo seria comemorado no dia 1 de janeiro.


Alguns franceses resistiram à mudança e continuaram a seguir o calendário antigo, pelo qual o ano iniciaria em 1 de abril. Gozadores passaram então a ridicularizá-los, a enviar presentes esquisitos e convites para festas que não existiam. Essas brincadeiras ficaram conhecidas como plaisanteries.Em países de língua inglesa o dia da mentira costuma ser conhecido como April Fool's Day ou Dia dos Tolos, na Itália e na França ele é chamado respectivamente pesce d'aprile e poisson d'avril, o que significa literalmente "peixe de abril".

O DIA DA MENTIRA - BRASIL

No Brasil, o 1º de abril começou a ser difundido em Minas Gerais, onde circulou "A Mentira", um periódico de vida efêmera, lançado em 1º de abril de 1848, com a notícia do falecimento de Dom Pedro, desmentida no dia seguinte. "A Mentira" saiu pela última vez em 14 de setembro de 1849, convocando todos os credores para um acerto de contas no dia 1º de abril do ano seguinte, dando como referência um local inexistente.

O DIA DA MENTIRA E A BÍBLIA
A Bíblia diz que a mentira não convém aos santos e que o diabo é pai dela. No livro de provérbios, capítulo 6 de 16 a 19 aprendemos que: "Seis coisas o SENHOR aborrece, e a sétima a sua alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal, testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia contendas entre irmãos."Caro leitor, quando a Bíblia afirma que Deus aborrece e abomina alguma coisa, devemos levar isso a sério.

Salomão melhor do que ninguém entendia o que estava afirmando, afinal de contas, ele sabia o quão terrível e temível é o SOBERANO SENHOR.Nesta lista de sete coisas que Deus aborrece, três delas são relacionados aos pecados da língua. As Escrituras Sagradas afirmam que Deus odeia a mentira. Segundo a Bíblia O mentiroso será castigado por Deus (Salmo 7:12-16). Muitas pessoas confiam na mentira, se achando capazes de enganar o mundo e até o próprio Deus. Na sua arrogância, elas não confiam no Senhor (Salmo 40:4). Além disso, o texto também é claro em afirmar que o nosso Deus aborrece a testemunha falsa que profere mentiras.

Isto é, em outras palavras Deus odeia aqueles que lançam falso testemunho a respeito de outrem. E por fim, o texto é enfático em afrmar que Deus abomina O que semeia contendas entre irmãos.Prezado amigo, contendas são obras de maldizentes. Lamentavelmente existem pessoas que ocupam o seu tempo falando mal dos outros e semeando discórdias. Para estas o que importa é denegrir a vida do vizinho, do colega de trabalho, do irmão da igreja, do líder do ministério, do pastor e de quem mais achar por bem.

Alguém já disse que contendas são fáceis de começar e difíceis de terminar. Salomão afirmou "que Como o abrir-se da represa, assim é o começo da contenda; desiste, pois, antes que haja rixas" (Provérbios 17:14).Pois é, infelizmente os que agem desta forma demonstram não possuir o menor temor a Deus e sua Palavra.

Se você é daqueles que tem por hábito falar muito e mal de alguém, resolva em nome de Cristo mudar o seu comportamento fazendo da língua instrumento de bênção.

Pense nisso!

Fonte: Renato Vargens

segunda-feira, 17 de março de 2014

SABER VIVER É PRECISO

Quando alguém te oferece algo, bom ou ruim, aquilo só se torna teu se você aceitar. 
Aprenda a ficar com aquilo que é bom!
O que não for bom, deixe a pessoa levar de volta e, simplesmente, esqueça! 
Não se torture pelo que não vale a pena!
Retenha o que é bom prá sua vida e procure estar muito bem com Deus! 
Não se esqueça, no entanto, que, de vez em quando Deus vai dar uns puxões de orelha em nós, mas é para o nosso bem!
Aprenda a discernir a voz de Deus para não ter como ruim aquilo que é bom e para o nosso bem!
Por fim, tenha paz interior, seja feliz e espalhe a paz e a felicidade de Cristo a todos que cruzarem o teu caminho!

Que Deus te abençoe sempre!

Pr. Ednaldo Breves

BATISMO - IGREJA METODISTA EM SÃO PEDRO - 16.03.2014

sexta-feira, 14 de março de 2014

EXPRESSÕES EQUIVOCADAS. VAMOS CONHECER OS SEUS SIGNIFICADOS REAIS




É interessante como a gente vai reproduzindo frases, ditados e provérbios populares, que foram transmitidos de forma oral pelos nossos antepassados, sem termos o cuidado de ver o que realmente significam, bem como procurar a origem de tais ditados.
Quando isso acontece, nos assustamos com a discrepância que cometemos.


Separamos 15 expressões que todo mundo erra, ou que todo mundo usa mas que nem todo mundo sabe direito o significado ou seu correto emprego.


01 — Enfiou o pé na jaca:
O correto é enfiou o pé no jacá. Antigamente, os tropeiros paravam nas vendinhas, a meio caminho, para tomar uma pinga. Quando bebiam demais, era comum colocarem o pé direito no estribo e, quando jogavam a perna esquerda para montar no burro, erravam, pisavam no jacá (o cesto em que as mercadorias eram carregadas) e levavam um grande tombo. Por isso, quando alguém bebia demais dizia-se que ele enfiaria o pé no jacá. A jaca, fruta, não tem nada com isso.


02 — Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão:
O correto é batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão.


03 — Quem tem boca vai a Roma: Pois é, eu também fiquei surpreso ao saber que o correto não tem nada a ver com a capacidade de pela comunicação ir a qualquer parte do mundo, e sim uma forma de exortação à crítica política;
O correto é quem tem boca vaia Roma.



04 — É a cara do pai escarrado e cuspido: Essa é forma escatológica de dizer que o filho é muito parecido com o pai;
O correto é a cara do pai em Carrara esculpido (Carrara é uma cidade italiana de onde se extrai o mais nobre e caro tipo de mármore, que leva o mesmo nome da cidade).


05 — Quem não tem cão, caça com gato:
O correto é quem não tem cão, caça como gato. Ou seja, sozinho!


06 — Isso foi feito nas coxas: As primeiras telhas usadas nas casas aqui no Brasil eram feitas de Argila, que eram moldadas nas coxas dos escravos que vieram da África. Como os escravos variavam de tamanho e porte físico, as telhas ficavam todas desiguais devido as diferentes tipos de coxas.
Daí a expressão fazendo nas coxas, ou seja, de qualquer jeito (Não tem nenhuma conotação erótico-sexual).


07 — Voto de Minerva: Orestes, filho de Clitemnestra, foi acusado pelo assassinato da mãe. No julgamento, houve empate entre os jurados. Coube à deusa Minerva o voto decisivo, que foi em favor do réu.
Voto de Minerva é, portanto, o voto decisivo.


08 — Casa da mãe Joana: Na época do Brasil Império, mais especificamente durante a menoridade do Dom Pedro II, os homens que realmente mandavam no país costumavam se encontrar num prostíbulo do Rio de Janeiro, cuja proprietária se chamava Joana. Como esses homens mandavam e desmandavam no país.
A frase casa da mãe Joana ficou conhecida como sinônimo de lugar em que ninguém manda. (CUIDADO PARA NÃO SER CRITICADO AO COMPARAR UM DETERMINADO LUGAR, APARENTEMENTE DESORGANIZADO COM UM PROSTÍBULO)


09 — Conto do vigário: Duas igrejas de Ouro Preto receberam uma imagem de santa como presente. Para decidir qual das duas ficaria com a escultura, os vigários contariam com a ajuda de Deus, ou melhor, de um burro. O negócio era o seguinte: Colocaram o burro entre as duas paróquias e o animalzinho teria que caminhar até uma delas. A escolhida pelo quadrúpede ficaria com a santa. E foi isso que aconteceu, só que, mais tarde, descobriram que um dos vigários havia treinado o burro.
Desse modo, conto do vigário passou a ser sinônimo de falcatrua e malandragem.



10 — Ficar a ver navios: Dom Sebastião, rei de Portugal, havia morrido na batalha de Alcácer-Quibir, mas seu corpo nunca foi encontrado. Por esse motivo, o povo português se recusava a acreditar na morte do monarca. Era comum as pessoas visitarem o Alto de Santa Catarina, em Lisboa, para esperar pelo rei. Como ele não voltou, o povo ficava a ver navios.


11 — Não entender patavinas: Os portugueses encontravam uma enorme dificuldade de entender o que falavam os frades italianos patavinos, originários de Pádua, ou Padova;
Sendo assim, não entender patavina significava não entender nada.


12 — Dourar a pílula: Antigamente as farmácias embrulhavam as pílulas em papel dourado, para melhorar o aspecto do remedinho amargo.
A expressão dourar a pílula, significa melhorar a aparência de algo.



13 — Sem eira nem beira: Os telhados de antigamente possuíam eira e beira, detalhes que conferiam status ao dono do imóvel. Possuir eira e beira era sinal de riqueza e de cultura.
Não ter eira nem beira significa que a pessoa é pobre, está sem grana.



14 — O canto do cisne: Dizia-se que o cisne emitia um belíssimo canto pouco antes de morrer.
A expressão “canto do cisne” representa as últimas realizações de alguém.

15 - Ovo indês: No interior é comum deixar um ovo no ninho pra galinha não abandoná-lo. O povo do interior chama de indês.
A expressão correta é "UM DELES". A coisa foi descambando... Pega os ovos e deixa "um deles", um dês... Deixa o indês...

quinta-feira, 13 de março de 2014

10 MANEIRAS COMO AJUDAR E ENCORAJAR O SEU PASTOR


O ministério pastoral não é fácil. 

Pastorear o rebanho de Cristo em alguns momentos é extremamente complicado. 

Cotidianamente os pastores lidam com situações extremamente complicadas onde dor, angústia e ansiedade se fazem presentes. 

Sem sombra de dúvidas os Ministros do Evangelho  ao conduzirem o rebanho de Cristo desenvolvem um árduo e penoso trabalho. 

Se não bastasse isso, eles necessitam esmerar-se no estudo da Bíblia, dedicar-se com afinco a oração e piedade, aconselhar os trôpegos  admoestar os insubmissos, além de treinar e fazer discípulos ensinando-as a guardar no coração a sã doutrina.

Pois é, à luz dessas afirmações que gostaria de lhe sugerir 10 maneiras para ajudar e encorajar o seu pastor:

1- Faça-o saber que está orando por ele e por sua família.

2- Incentive-o no ministério, apoiando-o na árdua função de pastorear o rebanho.

3- Demonstre interesse pelo estudo bíblico por ele ministrado, bem como por suas mensagens pregadas.

4- Trate-o com humanidade, entendendo que pastores não são seres perfeitos, e que carecem de amor, parceria e companheirismo.

5- Evite criticas desnecessárias.

6- Quando tiver um critica, sugestão ou queixa, não fique reclamando pelos cantos, antes pelo contrário,  procure-o e exponha  de forma educada suas questões a ele.

7- Trate-o com dignidade. Existem pastores que são tratados pelos membros da igreja local como coisas que podem ser descartadas a qualquer momento. Não aja dessa forma, nem tampouco, comporte-se desse jeito. Lembre-se: Seu pastor zela por sua alma e por sua saúde espiritual, portanto, trate-o com o amor.

8- Seja seu amigo. Uma pergunta: De que maneira você tem lidado com o seu pastor? Você está disposto a ajudá-lo em meios lutas e batalhas da vida? Está pronto para ser seu amigo?

9- Preocupe-se com suas lutas e necessidades procurando saber de que maneira você poderá ajudá-lo em suas tribulações.

10- Respeite-o. Seu pastor pode estar errado em algumas posturas, todavia, isso não lhe dá o direito de desrespeitá-lo, agredindo-o com ações e palavras.

Pense nisso!

Renato Vargens


quarta-feira, 12 de março de 2014

SER PASTOR!

Qual o sentido dessa palavra? Ser pastor! Uma afirmação tão pequena, mas repleta de tanto significado!

Ser pastor é muito mais que ser um pregador. Está além de ser um administrador de igreja. Muito além de professor ou conferencista. Ser pastor é algo da alma, não apenas do intelecto.

Ser pastor é sentir paixão pelas almas. É desejar a salvação de alguém de forma tão intensa, que nos leve à atitude solidária de repartir as boas-novas com ele. É chorar pelos que se mantém rebeldes. É pensar no marido desta irmã, no filho daquela outra, na esposa do obreiro, nos vizinhos da igreja, nos garotos da rua. Ser pastor é tudo fazer para conseguir ganhar alguns para Cristo.

Ser pastor é festejar a festa da igreja. É alegrar-se com a alegria daquele que conquista um novo emprego, daquele que gradua-se na faculdade, daquele que recebe a escritura da casa própria ou do outro que recebeu alta no hospital. Ser pastor é ter o brilho de alegria ao ver a felicidade de um casal apaixonado, ao ver o sucesso na vida cristã de um jovem consagrado, é festejar a conversão de um familiar de alguém da igreja por quem há tempos se vinha orando. Ser pastor é desejar o bem sem cobiçar para si absolutamente nada, a não ser a felicidade de participar dessa hora feliz.

Mas ser pastor também é chorar. Chorar pela ingratidão dos homens. Chorar porque muitas vezes aqueles a quem tanto se ajudou são os primeiros a perseguirem-nos, a esfaquearem-nos pelas costas, a criticarem-nos, a levantarem falso testemunho contra a igreja e contra nós. É chorar com os que choram, unindo-nos ao enlutado que perdeu um ente querido, é dar o ombro para o entristecido pela perda de um amor, é ser a companhia do solitário, é ouvir a mesma história uma porção de vezes por parte do carente. Chorar com a família necessitada, com o pai de um drogado, com a mãe da prostituta, com a família do traficante, com o irmão desprezado.

Ser pastor é não ter outro interesse senão o pregar a Cristo. É não se envolver nos negócios deste mundo, buscando riquezas, fama e posição. É saber dizer não quando o coração disser sim. É não ir à casa dos ricos em detrimento dos pobres. É não dar atenção demasiada para uns, esquecendo-se dos outros. É não ficar do lado dos jovens, em detrimento dos adultos e vice-versa. Ser pastor é não envolver-se em demasia com as pessoas, ao ponto de se perder a linha divisória do amor e do respeito, do carinho e da disciplina. Ser pastor é não aceitar subornos nem tampouco desprezar os não expressivos.

Ser pastor é ser pai. É disciplinar com carinho e amor, conquanto com a firmeza da vara, da correção e, não raras vezes, da exclusão de pessoas queridas. É obedecer a Bíblia, não aos homens. É seguir a Deus, não ao coração. Ser pastor é ser justo. Ser pastor é saber dizer não, quando a emoção manda dizer sim. Ser pastor é ter a consciência de não ser sempre popular, principalmente quando tiver que tomar decisões pesadas e difíceis, e saber também ser humilde quando a bênção de Deus o enaltecer diante do rebanho e diante do mundo. Os erros são nossos, mas a glória é de Deus.

Ser pastor é levantar-se quando todos estão dormindo e dormir quando todos estão acordados, socorrendo ao necessitado no horário da necessidade. Ser pastor é não medir esforços pela paz. É pacificar pais e filhos, maridos e esposas, sogros e genros, irmãos e irmãs. Ser pastor é sofrer o dano, o dolo, a injustiça, confiando nAquele que é o galardoador dos que o buscam. Ser pastor é dar a camisa quando lhe pedem a blusa, andar duas milhas quando o obrigam a uma, dar a outra face quando esbofeteado.

Ser pastor é estar pronto para a solidão. É manter-se no Santo dos Santos de joelhos prostrados, obtendo a solução para os problemas insolúveis. Ser pastor é não fazer da esposa um saco de pancadas, onde descontar sua fragilidade e cansaço. Ser pastor é ser sacerdote, mantendo sigilo no coração, mantendo em segredo o que precisa continuar sendo segredo, e repartindo com as pessoas certas aquilo que é "repartível". Ser pastor é muitas vezes não ser convidado para uma festa, não ser informado de uma notícia ou ser deixado de fora de um evento, e ainda assim manter a postura, a educação, o polimento e a compaixão. Ser pastor é ser profeta, tornar o seu púlpito um "assim diz o Senhor", uma tocha flamejante, um facho de luz, uma espada de dois gumes, afiada e afogueada, proclamando aos quatro ventos a salvação e a santificação do povo de Deus.

Ser pastor é ser marido e ser pai. É fazer de seu ministério motivo de louvor dentro e fora de casa. É não causar à esposa a sensação de que a igreja é uma amante, uma concorrente, que lhe tira todo o tempo de vida conjugal. Ser pastor é amar aos seus filhos da mesma forma que ensina aos pais cristãos amarem aos seus. É olhar para os olhos de seus filhos e ver o brilho de seus próprios olhos. É preocupar-se menos com o que os outros vão pensar e mais no que os filhos vão aprender, sentir e receber. É ver cada filho crescer, dando a cada um a atenção e o amor necessários. É orgulhar-se de ser pai, alegrar-se por ser esposo, servir de modelo para o povo. E, quando solteiro, tornar a sua castidade e dignidade modelo dos fiéis, enaltecendo ao Senhor, razão de sua vida.

Ser pastor é pedir perdão. Se os pastores fossem super-homens, Deus daria a tarefa pastoral aos anjos, mas preferiu fazer de pecadores convertidos os líderes de rebanho, pois, sendo humanos, poderiam mostrar aos demais que é possível ser uma bênção. Mas, quando pecarem, saberem pedir perdão. A humildade é uma chave que abre todas as portas, até as portas emperradas dos corações decepcionados. A humildade pode levar o pastor à exoneração, como prova de nobresa e integridade, como pode fazê-lo retomar seus trabalhos com maior pujança e vigor. Há pecados que põem fim a um ministério e ser pastor é saber quando o tempo acabou. Recomeçar é possível, mas nem sempre. Ser pastor é saber discernir entre ficar ou sair, entre continuar pastor e recolher-se respeitosamente.

Ser pastor é crer quando todos descrêem. Saber esperar com confiança, saber transmitir otimismo e força de vontade. É fazer de seu púlpito um farol gigantesco, sob cuja luz o povo caminha sempre em frente, para cima e em direção a Deus. Ser pastor é ver o lado bom da questão, é vislumbrar uma saída quando todos imaginarem que é o fim do túnel. Ser pastor é contagiar, e não contaminar. Ser pastor é inovar, é renovar, é oferecer-se como sacrifício em prol da vontade de Deus. Ser pastor é fazer o povo caminhar mais feliz, mais contente, é fazer a comunidade acreditar que o impossível é possível, é fazer o triste ser feliz, o cansado tornar-se revigorado, o desesperado ficar confiante e o perdido salvar-se. As guerras não são ganhas com armas, mas com palavras, e as do pastor são as palavras de Deus, portanto, invencíveis.

Ser pastor é saber envelhecer com dignidade, sem perder a jovialidade. É ser amigo dos jovens e companheiro dos adultos. Ser pastor é saber contar cada dia do ministério como uma pérola na coroa de sua história. Ser pastor é ser companhia desejada, querida, esperada. É saber calar-se quando o silêncio for a frase mais contundente, e falar quando todos estiverem quietos. Ser pastor é saber viver. Ser pastor é saber morrer.

E quando morrer, deixar em sua lápide dizeres indeléveis, que expressem na mente de suas ovelhas o que Paulo quis dizer, quando estava para partir: "combati o bom combate, terminei a carreira, guardei a fé". Ser pastor é falar mesmo depois de morto, como o justo Abel e o seu sangue, através de sua história, de seu exemplo, de seus escritos, de suas gravações. Ser pastor é deixar uma picada na floresta, para que outros venham habitar nas planícies conquistadas para o Reino do Senhor. Ser pastor é fazer com que os filhos e os filhos dos filhos tenham um legado, talvez não de propriedades, dinheiro ou poder político, mas o legado do grande patriarca da família, daquele que viveu e ensinou o que é ser um pastor.

Eu sou pastor.

Obrigado, Senhor!

Autor: Pr. Wagner Antonio de Araújo
Igreja Batista Boas Novas de Osasco, SP

DATAS IMPORTANTES DE BATISMO DE MEUS PAIS NA IGREJA METODISTA


Este são meus Pais: Eduardo Breves e Nair Guedes Breves.

DADOS RESGATADOS JUNTO A SECRETARIA DA IGREJA METODISTA EM BOA SORTE
NAIR GUEDES BREVES:
  • Data de Batismo: 16.07.1972 - Domingo
  • Local: Igreja Metodista em Boa Sorte
  • Nº no Rol: 203 -
  • Pastor: Rev. Eugênio Sias Filho
EDUARDO BREVES:
  • Data de Batismo: 16.07.1972 - Domingo
  • Local: Igreja Metodista em Boa Sorte
  • Nº no Rol: 202
  • Pastor: Rev. Eugênio Sias Filho
EDNALDO BREVES: 
  • Data do Batismo Infantil: 16.07.1972 - Domingo
  • Local: Igreja Metodista em Boa Sorte
  • Nº no Rol: 255
  • Pastor: Rev. Eugênio Sias Filho
  • Data de Confirmação do Pacto Batismal: 10.11.1974
  • Pastor: Rev. Adherico Chaves Ribeiro
  • Local: Igreja Metodista em Boa Sorte

segunda-feira, 10 de março de 2014

PRÉ-OCUPAÇÃO - UM DESAFIO A SER VENCIDO


Stanley Jones tem uma frase interessantíssima para os dias atuais. Ele diz:

“A preocupação é os juros antecipados que nós pagamos pelo dia de amanhã”. Na verdade, preocupação significa ‘ocupar-se antecipadamente’.

É a versão extremada e patológica da boa recomendação de não deixar para amanhã, o que se pode fazer hoje!

Todavia, que benefícios se pode tirar de uma preocupação? Nenhum!

Porque se o motivo da preocupação for algo impossível de ser resolvido, então a preocupação é vã. S

e o motivo for algo solucionável, então a preocupação deveria dar lugar à elaboração de um plano para resolvê-lo.

Eu sei que na vida real, as situações não são tão simples assim.

Eu mesmo tenho as minhas preocupações.

A solução dos problemas que as provocam não depende somente de mim, e mesmo quando depende, muitas vezes não tenho os meios, nem as oportunidades de resolvê-los. A preocupação é irmã gêmea da ansiedade.

E quando o assunto é ansiedade, então me lembro do que Jesus falou: “Não andeis ansiosos pela vossa vida. Quem pode acrescentar um dia sequer à própria vida? O vosso Pai Celeste sabe do que necessitais! Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus próprios cuidados”.

O remédio para a preocupação e para a ansiedade é a confiança no cuidado paternal de Deus e na nossa dependência dele.

Isto não significa acomodação, nem alienação. Isto é fé. Fé que nos permite trabalhar como se tudo dependesse de nós, e ao mesmo tempo, orar porque tudo realmente depende de Deus.

sábado, 8 de março de 2014

PENIEL - UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA

Mensagem pregada no Retiro Espiritual da Igreja Metodista em São Pedro - 2012


PENIEL - UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA

Gênesis 32:22-31

INTRODUÇÃO:

ü      A Bíblia nos revela que é da vontade de Deus nos usar para sua glória.

ü      Porém, vemos que antes Dele nos usar como instrumentos em suas mãos, precisamos ser tratados e curados por Ele.

ü      E nesta passagem, vemos que Jacó estava disposto a receber algo a mais de Deus em sua vida.

ü      Então, ele passa por Peniel e neste lugar Ele tem um encontro com Deus.

ü      Ele entra de uma maneira e saí de outra.

ü      Espiritualmente falando, Peniel é lugar de luta e de guerra, de acerto de contas e de transformação.



DESENVOLVIMENTO:

ü      Então, o que acontece quando passamos por Peniel?



1º SOMOS DESARTICULADOS POR DEUS

ü      "Vendo este que não podia com ele, tocou-lhe na articulação da coxa; deslocou-se a junta da coxa de Jacó, na luta com o homem." – vs. 25

ü      Ser desarticulados por Deus é quando Deus nos fere e nos mostra o quão frágil somos.

ü      Jacó até então tentou "fazer de conta" que era um homem de Deus.

ü      Agora era preciso vencer sua hipocrisia e justiça própria, e confrontá-lo com a verdade.

ü      Se você entrar em Peniel cheio de justiça própria, Deus vai derrubar você – Ele precisa lhe levar a um profundo arrependimento, ainda que para isso ele tenha  que "desarticular" você.

ü      Tiago 4:10 – Humilhai-vos na presença do Senhor, e Ele vos Exaltará.



2º SOMOS CONFRONTADOS POR DEUS

ü      v.s. 27 “Perguntou-lhe o homem: Qual é o teu nome? E ele respondeu: Jacó.”

ü      Quando lhe é perguntado o nome, enfaticamente ele responde: Jacó.

ü      Com aquela resposta é como se ele estivesse dizendo: “meu nome é suplantador, usurpador (pois Jacó significa suplantador, usurpador), etc”,

ü      Essa pergunta foi um confronto para o seu caráter.

ü      Naquele momento Jacó poderia ter disfarçado e não ter confessado o que realmente ele era, porém ele confessou quando foi confrontado.

ü      Assim somos nós quando pela fé estamos em Peniel, ou seja, face a face com Deus,

ü      Nós somos confrontados pelo Senhor, e quando esse confronto vier até nós, que venhamos ser transparentes e confessar o que realmente somos.

ü      “O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mais o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia. Provérbios 28:13)



3º SOMOS TRANSFORMADOS POR DEUS

ü      v.s. 28 “Então o homem disse: Não te chamarás mais Jacó, mas Israel, porque lutaste com Deus e com os homens e prevaleceste.”

ü      De enganador, usurpador, ele passou a ser chamado Israel. Israel significa “aquele que luta com Deus”, CAMPEÃO DE DEUS!

ü      Que transformação! Transformação que Deus deseja fazer em nossas vidas!



CONCLUSÃO:

ü      Jacó levava uma vida relaxada diante de Deus, pois Jacó era um enganador.

ü      Jacó já havia experimentado algo com Deus quando o mesmo passou por Betel (Gênesis 28).

ü      Betel significa “casa de Deus”, ou seja, Jacó estava na casa de Deus, porém continuava sendo Jacó (suplantador, usurpador, enganador, etc),

ü      Faltava o manifestar do poder de Deus na vida de Jacó, e isso acontece pois Jacó se dispôs a essa mudança.

ü      A experiência de Jacó em Betel e Peniel nos fala da não acomodação espiritual.

ü      Deus tem algo a mais para nossas vidas.

ü      Que nossa oração seja como o Cântico: “Leva-me além - A um nível mais profundo de intimidade contigo ó senhor. Leva-me além, que a minha vida flua mais da tua unção, mais do teu poder.

sexta-feira, 7 de março de 2014

COMO VOCÊ VÊ A VIDA

Recentemente li uma história muito interessante, acompanhe comigo:

Era uma vez uma indústria de calçados aqui no Brasil que desenvolveu um projeto de exportação de sapatos para a Índia. Em seguida, mandou dois de seus consultores a pontos diferentes do País para fazer as primeiras observações do potencial daquele futuro mercado. Após alguns dias de pesquisas, um dos consultores enviou o seguinte fax para a direção da indústria: "Senhores, cancelem o projeto de exportação de sapatos para a Índia. Aqui ninguém usa sapatos ". Sem saber desse fax, alguns dias depois o segundo consultor mandou o seu: "Senhores, tripliquem o projeto da exportação de sapatos para a Índia. Aqui ninguém usa sapatos ainda.”

A mesma situação era um tremendo obstáculo para um dos consultores e uma fantástica oportunidade para outro. Da mesma forma, tudo na vida pode ser visto com enfoques e maneiras diferentes.

A sabedoria popular traduz essa situação com a seguinte frase: "Os tristes acham que o vento geme; os alegres e cheios de espírito afirmam que ele canta.”

O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos.

A maneira como você encara a vida faz toda a diferença.

No entanto, a maneira como encaramos a vida depende basicamente de “em quem depositamos a nossa fé.” Paulo escreveu a Igreja em Corinto (II Cor. 5:7) que “Não vivemos pelo que vemos, mas pelo que cremos”.

Quando estamos em sintonia com Deus, o final é previsível: VITÓRIA!!!

Mesmo em meio ao caos e desafios presentes, pela fé, podemos antever os resultados, pois Aquele que tem todo poder está conosco.

Quando temos visão espiritual, vemos além dos problemas, vemos possibilidades em cada desafio e situações que momentaneamente não entendemos.

Deus deseja fazer de você uma pessoa feliz e bem sucedida!!!

Creia nisso, ainda que agora os teu olhos físicos não consigam enxergar esta realidade de benção!!!
COMO VOCÊ VÊ A VIDA?

Queremos fazer das palavras de Eliseu, uma ministração profética para nossas vidas:

“Oh! Deus, abra os nossos olhos espirituais para que vejamos que maior é Aquele que está conosco, que aquele que está no mundo”.

Pastor Ednaldo Breves

quarta-feira, 5 de março de 2014

VOLTA AO LAR CELESTIAL

Leia João 14.1-7

Aquele que me ama será amado por meu Pai. ? João 14.21

Uma sensação de náusea no estômago, a boca seca e as mãos suadas evidenciavam meu nervosismo quando o carro do meu namorado se aproximou da casa.

Ele me levava para conhecer seus pais, e eu não tinha certeza de como seria recebida.

Receava não ser a nora que eles esperavam, a esposa que eles sabiam que seu filho merecia.

A presença dele ao meu lado representava minha esperança de que sua família me amasse apenas porque ele amava.

Antes mesmo que eu abrisse a porta do carro, o pai de Jim já estava na calçada, esperando por nós.

Meus temores logo se acalmaram diante do grande sorriso em seu rosto, seu beijo em minha bochecha e o conforto de seu abraço.

Fui aceita com base no meu relacionamento com seu filho.

Muitos de nós nos preocupamos com a recepção que teremos ao chegar à porta de Deus.

Sabemos que não somos bons o bastante para estar lá.

Somos indignos de estar na presença de Deus. Mas não estaremos ali sozinhos.

Nossa recepção às portas do céu depende apenas do nosso relacionamento com Seu Filho, Jesus Cristo.

Posso ficar descansada.

A maravilhosa acolhida que recebi de meu sogro é apenas uma antecipação do que receberei, algum dia, de meu Pai que está no céu. Afinal de contas, Deus enviou Seu filho para me trazer para casa.

Oração: Ó Deus, nós Te agradecemos pela certeza do Teu amor e aceitação por meio de nosso relacionamento com Teu Filho, Jesus. No nome dEle oramos. Amém.

Pensamento para o dia: Quem ama o Filho de Deus terá dEle uma alegre recepção.

Elaine L. Bridge (Ohio, EUA)