quinta-feira, 26 de novembro de 2015

PALAVRA DE GRATIDÃO


Passada a correria da Auto-avaliação, Relatório das Ações Pastorais, Relatório de Discipulado, Concílio Local para escolha de Lista Tríplice, Concílio Local para Homologação do Relatório das Ações Pastorais, Concílio Distrital para escolha da Lista Tríplice, Reunião com a Delegação ao Concílio Regional, Reuniões Mensais junto à COREAM, representando nosso Distrito e, por fim, a participação no Concílio Regional, QUERO AGRADECER DE CORAÇÃO a todas as Igrejas do Distrito de Barra Mansa, com seus pastores/as, delegados/as leigos/as e membresia em geral, pela indicação de meu nome para a Lista Tríplice em 17 das 22 Igrejas do Distrito, bem como a manutenção de meu nome na Lista Tríplice Distrital!

Tudo transcorreu dentro do que penso ser a vontade soberana de Deus para minha vida!
Parabenizo aos Eleitos à Lista Tríplice Regional, e vamos continuar orando pelo Concílio Geral para que seja feita a vontade de Deus!

Parabenizo o nosso SD, Rev. Ananias Lúcio da Silva, eleito nosso representante Distrital na Delegação ao Concílio Geral, bem como ao Rev. Alcir e Clinger pela honrosa suplência ao Geral. Ao Rev. Alcir pela eleição para a Comissão Ministerial Regional, além da irmã Aparecida que continuará sendo voz profética junto à COREAM no biênio 2016/2017.

Volto minha atenção ao que mais amo ser e fazer: "Pastorear - orar, pregar, ensinar, visitar e aconselhar!"
A todos/as que me honraram, ou não, com seu voto nas eleições, agradeço, pois creio que o resultado final representa a vontade de Deus para minha vida!

Contem sempre com as minhas orações, minha amizade e posicionamento sincero!

Rev. Ednaldo Breves

domingo, 15 de novembro de 2015

DIA NACIONAL DE AÇÃO DE GRAÇAS

O Dia de Ação de Graças é comemorado na quarta Quinta-feira de Novembro. Nesta data, pessoas que reconhecem a bondade de Deus dão graças pelas dádivas alcançadas. As famílias se reúnem e comemoram com a ceia tradicional, após as orações e os cultos de gratidão à bondade de Deus.

Segundo a tradição, o primeiro Dia de Ação de Graças americano aconteceu em 1621. A festa foi feita junto aos integrantes da tribo Wampanoag, convidados dos colonos ingleses fundadores da colônia Plymouth, estado de Massachusetts.

Num gesto de delicadeza, os índios levaram comida aos ingleses. Só em 1789, por idéia do então presidente George Washington, a data se tornou feriado. Para aqueles que estão no caminho espiritual, o Dia de Ação de Graças anuncia formalmente a chegada do Natal e simboliza a gratidão que sentimos a medida em que nos aproximamos de Deus.

Da mesma forma que o dia de Ação de Graças precede o Natal, o coração, que é constantemente agradecido, é um precursor do glorioso nascimento interno da consciência Cristã que é a alegre realização da Presença Divina em toda a criação.

Oferendas internas, conscientes de agradecimento, abrem nossos olhos novamente para as incontáveis manifestações de Deus em nossa volta, emocionando-nos com uma capacidade nova de admirar e sentir júbilo na vida diária.

O Dia de Ação de Graças é o dia especialmente dedicado à gratidão. A rigor, todos os dias deveriam ser de ações de graças. Em todas as circunstâncias, em todos os momentos, deveríamos ser gratos a Deus. "Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus, em Cristo Jesus, para convosco". I Tessalonicenses 5.18.

Agradecer a Deus, entendendo que tudo lhe pertence e que providencia o melhor para nós, é sinal de amor e de obediência à Sua vontade.

No ano de 1909, Joaquim Nabuco, Embaixador do Brasil nos Estados Unidos, assistiu a um Culto de Ação de Graças. Ficou tão impressionado que declarou: "Quisera que toda a humanidade se unisse, num mesmo dia, para um universal agradecimento a Deus".

Em 1949, foi votada no Congresso Nacional e sancionada pelo Presidente Eurico Gaspar Dutra, a Lei no 781, que instituiu no Brasil o Dia Nacional de Ação de Graças.

ENCERRO COM UMA FRASE INTERESSANTE:

"Quem é grato pelo que já tem, recebe o que ainda não tem - Quem vive reclamando o que ainda não tem, acaba perdendo até o que já tem."

Sejamos Gratos a Deus!

Pr. Ednaldo Breves

domingo, 1 de novembro de 2015

02 DE NOVEMBRO – DIA DE FINADOS

Os vivos sabem que vão morrer, mas os mortos não sabem nada.

“Sim, os vivos sabem que vão morrer, mas os mortos não sabem nada. Eles não vão receber mais nada e estão completamente esquecidos. Os seus amores, os seus ódios, as suas paixões, tudo isso morreu com eles. Nunca mais tomarão parte naquilo que acontece neste mundo. Portanto, vá em frente. Coma com prazer a sua comida e beba alegremente o seu vinho, pois Deus já aceitou com prazer o que você faz. Procure sempre parecer feliz e satisfeito. Enquanto você viver neste mundo de ilusões, aproveite a vida com a mulher que você ama. Pois isso é tudo o que você vai receber pelos seus trabalhos nesta vida dura que Deus lhe deu. Tudo o que você tiver de fazer faça o melhor que puder, pois no mundo dos mortos não se faz nada, e ali não existe pensamento, nem conhecimento, nem sabedoria. E é para lá que você vai”. (Pv. 9:5-10)

O dia de finados é umas das principais datas do calendário católico, e já vem sem sendo celebrado no mundo inteiro anualmente desde o século XI, quando os Papas Silvestre II (1009), João XVII (1009) e Leão IX (1015) obrigaram a comunidade a dedicar um dia aos mortos. No século XIII esse dia passou a ser comemorado anualmente em 2 de novembro. Desde então, nesta data milhões de pessoas vão aos cemitérios chorar seus entes queridos, procurando dar descanso aos espíritos deles no Purgatório através de suas missas. Além das missas católicas, no dia de finados é comum também haver nos cemitérios sessões afro-espíritas e outros ritos místicos, pois nas religiões afro-brasileiras este dia é especial para se cultuar e cumprir obrigações para com os eguns (espíritos dos mortos), Omolu, o senhor dos cemitérios, e com Exu Omolu, chefe da linha de cemitérios na Quimbanda.

E nós, os cristãos evangélicos, porque não celebramos o dia de finados?

Em primeiro lugar porque cremos que os mortos já tiveram seus destinos traçados em vida, ou seja, desde o momento em que partiram deste mundo já não há mais esperança para eles, sendo portanto impossível ocorrer qualquer mudança depois disto.

Em segundo lugar porque Deus não é Deus de mortos, e sim de vivos. (Lc.20:38). Por conseguinte, o texto da carta aos Hebreus esclarece isto mostrando que após a morte segue-se o juízo (9:27). Portanto, não existe salvação depois da morte e nem Purgatório, já que a Bíblia nem ao menos menciona este lugar e evidencia que ele é desnecessário, pois só o sangue de Cristo nos purga e purifica de todo pecado (1ª João 1:7). Sendo assim, missas e rezas pelos mortos são ineficazes, pois, não podem alterar sua condição pós-morte; colhemos irremediavelmente na outra “vida”, o que semeamos nesta. Pois é!

Segundo a Wikipédia, no dia de Finados “muitos costumam visitar os cemitérios para rezar e venerar a memória daqueles que já partiram” Mas para que visitar os corpos dos mortos, uma vez que cremos que seus espíritos já não estão mais ali? É bem verdade que o sentimento de saudade é algo inevitável, mas este sentimento perde parte da sua força com o passar do tempo, sobretudo quando cremos na ressurreição dos salvos, pois para nós a principal esperança pós-morte é esta.

No entanto, para os que não crêem na ressurreição, o problema mais grave deste dia é que nele se transmite uma mensagem de que os vivos (com as suas rezas e dedicação) podem determinar ou influenciar o destino eterno de seus entes queridos já falecidos. Esta mensagem de fato está enganando as pessoas porque o que a Bíblia afirma é que o destino eterno de cada um é decidido ainda em vida, por cada pessoa individualmente e não depois da sua morte, por alguma espécie de procuração dada a outros.

A este respeito Jesus nos ensinou assim: “Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que crê em mim, tem a vida eterna.” (João 6:47).

Você crê nEle? Já deu sua vida a Ele? Espero que sim. Bom! Só de estar lendo esta matéria, isso já é um bom sinal, pois quer dizer que você ainda esta vivo. Então fique tranqüilo e saiba que sua ressurreição para vida eterna está garantida na pessoa de Cristo Jesus. Agora só depende de você.

No amor de Cristo,

Pr. Antônio Ramos

DIA DE FINADOS E A BÍBLIA


1. No dia 2 de novembro se celebra o culto aos mortos ou o dia de Finados. Qual a origem do culto aos mortos ou do dia de Finados?

O dia de Finados só começou a existir a partir do ano 998 DC. Foi introduzido por Santo Odilon, ou Odílio, abade do mosteiro beneditino de Cluny na França. Ele determinou que os monges rezassem por todos os mortos, conhecidos e desconhecidos, religiosos ou leigos, de todos os lugares e de todos os tempos. Quatro séculos depois, o Papa, em Roma, na Itália, adotou o dia 2 de novembro como o dia de Finados, ou dia dos mortos, para a Igreja Católica.

2. Como chegou aqui no Brasil essa celebração de 2 de novembro ser celebrado o dia de Finados?

O costume de rezar pelos mortos nesse dia foi trazido para o Brasil pelos portugueses. As igrejas e os cemitérios são visitados, os túmulos são decorados com flores, e milhares de velas são acesas.

3. Tem apoio bíblico essa tradição de se rezar pelos mortos no dia 2 de novembro? Como um cristão bíblico deve posicionar-se no dia de Finados?

Nada de errado existe quando, movidos pelas saudades dos parentes ou pessoas conhecidas falecidas, se faz nesse dia visita os cemitérios e até mesmo se enfeitam os túmulos de pessoas saudosas e caras para nós. Entretanto, proceder como o faz a maioria, rezando pelos mortos e acendendo velas em favor das almas dos que partiram tal prática não encontra apoio bíblico.

4. A maioria das pessoas que visitam os cemitérios no dia de Finados está ligada à religião católica. Por que os católicos fazem essa celebração aos mortos com rezas e acendendo velas junto aos túmulos?

Porque segundo a doutrina católica, os mortos, na sua maioria estão no purgatório e para sair mais depressa desse lugar, pensam que estão agindo corretamente mandando fazer missas, rezas e acender velas. Crêem os católicos que quando a pessoa morre, sua alma comparece diante do arcanjo São Miguel, que pesa em sua balança as virtudes e os pecados feitos em vida pela pessoa. Quando a pessoa não praticou más ações, seu espírito vai imediatamente para o céu, onde não há dor, apenas paz e amor. Quando as más ações que a pessoa cometeu são erros pequenos, a alma vai se purificar no purgatório.

5. Existe base bíblica para se crer no purgatório, lugar intermediário entre o céu e o inferno?

Não existe. A Bíblia fala apenas de dois lugares: céu e inferno. Jesus ensinou a existência de apenas dois lugares. Falou do céu em Jo 14.2-3 e falou do inferno em Mt 25.41.

6. Segundo a Bíblia o que acontece com os seres humanos na hora da morte?

No livro de Hebreus 9.27 se lê que após a morte segue-se o juízo. E Jesus contou sobre a situação dos mortos Lc 16.19-31. Nessa parte bíblica destacamos quatro ensinos de Jesus:

que há consciência após a morte;

existe sofrimento e existe bem estar;

não existe comunicação de mortos com os vivos;

a situação dos mortos não permite mudança.

Cada qual ficará no lugar da sua escolha em vida. Os que morrem no Senhor gozarão de felicidade eterna (Ap 14.13) e os que escolheram viver fora do propósito de Deus, que escolheram o caminho largo (Mt 7.13-14) irão para o lugar de tormento consciente de onde jamais poderão sair.

7. Fora a crença sobre o estado dos mortos de católicos e evangélicos, existem outras formas de crer sobre a situação dos mortos. Pode indicar algumas formas de crer?

Sim.
  • os espíritas crêem na reencarnação. Reencarnam repetidamente até se tornarem espíritos puros. Não crêem na ressurreição dos mortos. (POR NÃO ACREDITAREM NA OBRA REDENTORA DE JESUS, OS ESPÍRITAS NÃO PODEM SER CONSIDERADOS CRISTÃOS.)
  • os hinduístas crêem na transmigração das almas, que é a mesma doutrina da reencarnação. Só que os ensinam que o ser humano pode regredir noutra existência e assim voltar a este mundo como um animal ou até mesmo como um inseto: carrapato, piolho, barata, como um tigre, como uma cobra, etc.
  • os budistas crêem no Nirvana, que é um tipo de aniquilamento.
  • as testemunhas de Jeová crêem no aniquilamento. Morreu a pessoa está aniquilada. Simplesmente deixou de existir. Existem 3 classes de pessoas: os ímpios, os injustos e os justos. No caso dos ímpios não ressuscitam mais. Os injustos são todos os que morreram desde Adão. Irão ressuscitar 20 bilhões de mortos para terem uma nova chance de salvação durante o milênio. Se passarem pela última prova, poderão viver para sempre na terra. Dentre os justos, duas classes: os ungidos que irão para o céu, 144 mil. Os demais viverão para sempre na terra se passarem pela última prova depois de mil anos. Caso não passem serão aniquilados.
  • os adventistas crêem no sono da alma. Morreu o homem, a alma ou o espírito, que para eles é apenas o ar que a pessoa respira, esse ar retorna à atmosfera. A pessoa dorme na sepultura inconsciente.
8. Como se dará a ressurreição de todos os mortos?

Jesus ensinou em Jo 5.28,29 que todos os mortos ressuscitarão. Só que haverá dois tipos de ressurreição;  A primeira ressurreição se dará por ocasião da segunda vinda de Cristo, no arrebatamento. (1 Ts 4.16,17; 1 Co 15.51-53). E a ressurreição do Juízo Final como se lê em Apocalipse 20.11-15.

Autor: Pr Natanael Rinaldi - Com adaptação