quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

SÉRIE CURA INTERIOR - COMPLEXO DE INFERIORIDADE


INTRODUÇÃO:
·         Um complexo de inferioridade, nos campos da psicologia e da psicanálise, é um sentimento de que se é inferior a outrem, de alguma forma.
·         Tal sentimento pode emergir de uma inferioridade imaginada por parte da pessoa afligida.
·         É freqüentemente inconsciente, e pensa-se que leva os indivíduos atingidos à super-compensação, o que resulta em realizações espetaculares, comportamento anti-social, ou ambos.
·         Diferentemente de um sentimento normal de inferioridade, que pode atuar como um incentivo para o progresso pessoal, um complexo de inferioridade é um estágio avançado de desalento, freqüentemente resultando numa fuga das dificuldades.
·         Por que pessoas inteligentes, bonitas, criativas, bem articuladas fracassam?
·         Uma das causas é o complexo de inferioridade que elas nutrem dentro de si.
·         Segundo o cálculo do escritor Maxwell Maltz, 95% de todas as pessoas em nossa sociedade sentem-se inferiores.

Os trabalhos pioneiros neste campo foram realizados por Alfred Adler (1917), que usou o exemplo do complexo de Napoleão para ilustrar sua teoria. Alguns sociólogos propuseram que um complexo de inferioridade pode também existir num nível mais amplo, afetando culturas inteiras. Esta teoria controvertida, é conhecida como inferioridade cultural.

CAUSAS DO COMPLEXO DE INFERIORIDADE

Por nascimento – todo ser humano nasce com sentimentos de inferioridade porque quando de seu nascimento, é dependente do que para ele são super-humanos ao seu redor;
Atitudes dos pais – 1-comentários negativos e avaliações de comportamento que enfatizem erros e lapsos determinam a atitudes de crianças até os seis anos de idade; 2-comparação que os pais fazem dos seus filhos com outras pessoas, geralmente, enfatizando que seus filhos são errados, enquanto que os outros são certos em determinada coisa;
Defeitos físicos – tais como ser manco, características faciais desproporcionais, defeitos da fala e visão defeituosa causam reações emocionais e se conectam a experiências desagradáveis anteriores;
Limitações mentais – provoca sentimentos de inferioridade quando comparações desfavoráveis são feitas com as realizações superiores de outrem, e quando performance satisfatória é esperada, mesmo quando as instruções não possam ser compreendidas;
Preconceitos e desvantagens sociais – família, raça alegada, sexo, orientação sexual, status econômico e religião.

MANIFESTAÇÃO

Este sentimento pode se manifestar das seguintes formas:
RECUO – desistência de contatos sociais;
AGRESSÃO – busca excessiva de atenção, crítica alheia, obediência excessivamente obsequiosa e preocupação.

DEZENOVE SINTOMAS DE UMA AUTO IMAGEM NEGATIVA

Como vai sua auto imagem?
Como você se vê?
A nossa auto imagem são as lentes através das quais enxergamos tudo na vida.
Uma pessoa que tem uma visão de si mesma distorcida, embaçada, deformada, é a sim que ela vai ver a vida, as outras pessoas e o próprio Deus.
Para ajudar você fazer uma avaliação da sua auto imagem, vamos ver alguns sintomas de uma auto imagem negativa.

1- Atitude pessimista diante da vida. O pessimista sempre enxerga a vida com lentes embaçadas, por isso para ele o tempo sempre está nublado.

2- Retraimento por falta de confiança para apresentar-se socialmente. Na maioria das vezes esta pessoa busca o isolamento.

3- Excesso de preocupação quanto às opiniões alheias. O complexo de inferioridade faz a pessoa se preocupar exageradamente com o que os outros dizem ou vão dizer.

4- Demasiada preocupação quanto a aparência. A pessoa tem a tendência de achar que nunca está bom o suficiente.

5- Visão negativa das outras pessoas. Acha que todos são concorrentes, que precisam ser vencidos e não como amigos para compartilhar.

6- Senso de masculinidade ou feminilidade direcionados apenas para conquistas sexuais. São tentadas a usar o sexo como arma.

7- Insatisfação consigo mesma. Esforço para tornar-se alguém ou alguma coisa, em vez de relaxar e de ter prazer em ser o que se é.

8- Desprezo ao presente, focalizando maior sucessos passados ou sonhos futuros. A pessoa que despreza o presente, vive um vazio existencial que muitas vezes leva a depressão.

9- Incapacidade de ver o lado bom das pessoas. O complexado, é pessimista, e o pessimista sempre tem um visão acusatória ou crítica dos outros.

10- Dependência doentia. O auto-retrato distorcido leva a pessoa desenvolver relacionamentos de dependência.

11- Incapacidade para aceitar elogios. Por detrás de uma “falsa humildade”, quase sempre há uma pessoa insegura e complexada.

12- Não desenvolve hábitos de comportamento vitorioso. A pessoa sempre vê de forma antecipada a derrota, o insucesso, o fracasso.

13- Insegurança e medo de intimidade nos relacionamentos interpessoais. O isolamento é a conseqüência natural na vida da pessoa com uma auto-imagem negativa.

14- Dificuldade para aceitar o amor de outras pessoas. Aquele que não se ama, dificilmente aceitara com facilidade o amor dos outros. Sempre vai interpretar a aproximação como uma ameaça.

15- Apego aos bens materiais para se sentir segura. Pessoas com complexo de inferioridade, tem necessidade de estar sempre provando alguma coisa.

16- Usa sempre rótulos negativos em relação a si mesmo. “Nunca vou conseguir”. “Não nasci para isso.” “Já sabia que comigo não ía dar certo.” “Eu já me conformei, nem luto mais por isso.” Estas são algumas declarações das pessoas que te um auto retrato negativo.

17- Não tem opinião própria e quase sempre segue a multidão. São as pessoas que sempre dizem, “o que vocês fizerem está bom.”

18- Atitude e comportamento perfeccionista. Parece um paradoxo, mas por traz de uma pessoa perfeccionista, quase sempre tem alguém com “complexo de inferioridade”.

19- Hiper sensibilidade. Você já ouviu falar em pessoa “casquinha de ferida”? Assim é aquele que se sente sempre inferior por causa da sua auto imagem negativa.

LIDANDO COM O COMPLEXO DE INFERIORIDADE

"Forjai espadas das vossas enxadas, e lanças das vossas foices; diga o fraco: Eu sou forte". (Joel 3:10)

Pode-se seguir a seguinte estratégia para lidar com o complexo de inferioridade:

Consciência – trazer o complexo ao nível consciente;
Superar ou aceitar – superar a incapacidade ou aceitar as conseqüências.

- Valorize seus pontos fortes:
- Reconheça que você precisa melhorar em alguns aspectos: ninguém é perfeito. Portanto, busque sempre melhorar ou reconheça seus erros.
- Saiba que você é muito importante e tem muitas qualidades.
- Lembre-se que as pessoas são diferentes: suas qualidades podem não ser as mesmas da sua amiga, e isso não faz de você inferior.

Ajuda é essencial

Se você está se sentindo muito mal e não consegue melhorar, que tal buscar ajuda de pessoas que te amam?
Converse com sua família ou com uma psicóloga, eles vão tentar ao máximo te ajudar.

DICAS PARA VENCER O COMPLEXO DE INFERIORIDADE:

1. Viva consciente da sua identidade como filho de Deus. Você é príncipe porque o seu pai é o Rei da Glória (Rm 8:14;. Mt 6:9).

2. Não confunda amor próprio com atitude de superioridade, vontade própria obstinada ou orgulho (Mc 12:31).

3. Maximize o seu potencial (Mt 25:15).

4. Afirme para você mesmo eu fui criado à imagem e semelhança de Deus, tenho capacidade intelectual, liberdade para fazer escolhas, conhecimento do que é certo e errado. Eu tenho valor para Deus.

5. Feche os ouvidos do teu coração para as palavras negativas que visam destruir sua auto-imagem e estima.

6. Vença os pensamentos "de inferioridade" recitando textos das Escrituras (1Co 15:10; Fp 4:11-13; Sl 8:4,5; 91:11; Jr 29:11).

7. Nunca diga "não valho nada, sou um fracasso" porque isso não é verdade. Você nasceu com potencial para ser um vencedor.

8. Tenha alvos na vida e estabeleça metas para alcançá-los.

9. Seja uma pessoa que aceita desafios, que não tem medo de assumir riscos com responsabilidade.

10. Supere suas limitações com dedicação, esforço e determinação. Pense como o apóstolo Paulo: "Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece". (Fp 4:13)

11. Não meça o seu valor com base no que os outros pensam a seu respeito, mas naquilo que Deus fala a teu respeito. Se você quer medir o seu valor, faça uma auto avaliação usando como referência aquilo que diz as Escritura a seu respeito. "E uma voz dos céus disse: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo". (Mateus 3:17)

COMPLEXO DE SUPERIORIDADE

A pessoa portadora de um Complexo de Superioridade  está tentando compensar sensações de inferioridade que lhe são inerentes.

Este termo foi criado pelo psicólogo Alfred Adler, discípulo de Freud, que posteriormente rompe com o mestre, e idealizador da Psicologia Individual.

O sujeito que desenvolve este sentimento vê nos outros, julgados por ele como seus subordinados, traços de inferioridade que na verdade pertencem a ele, ou seja, trata-se de um jogo de projeções.
Assim, ele tende a marginalizá-los, da mesma forma como também se sente excluído, atribuindo-lhes as mesmas características que lhe são imputadas por outrem.

É muito comum estes indivíduos serem vistos como arrogantes e pretensiosos.

O ser com Complexo de Superioridade não consegue equilibrar em seu íntimo seu potencial e seus limites, considerando-se alguém com valia e aptidão superestimadas.
Suas perspectivas sobre si mesmo são extremamente elevadas e ele acredita ter um poder de realização muito maior do que realmente possui.
Normalmente ele apresenta uma vaidade incomum, que se reflete na sua própria maneira de se vestir, nas suas ações e atitudes, até mesmo no modo de falar, algumas vezes exagerado e presunçoso.
Tentando parecer melhor que todos, o sujeito se revela intolerante, sempre contradizendo o ponto de vista alheio e se esforçando para dominar os que ele julga lhe serem inferiores.

Sentindo-se essencialmente inferior, a pessoa tenta parecer superior mais para si mesma do que para os outros. Embora aparente superioridade, ela teme ser socialmente desprezada, sente-se insegura, tem uma baixa auto-estima, mesmo que todos esses sentimentos estejam ocultos no seu inconsciente, mas nem por isso menos intoleráveis para sua mente. É neste momento que o homem cria as famosas máscaras, tão presentes na rotina da nossa sociedade, para que se pareça melhor que os outros. Muitas vezes isolado do convívio social por alguma razão ou mergulhado em devaneios, o indivíduo pode recorrer a este Complexo como uma forma de sobreviver perante sua inadaptação à sociedade.

Assim, é inevitável – complexos de superioridade e inferioridade estão sempre muito próximos e podem tranqüilamente coexistir no mesmo sujeito, por toda a sua existência. Mas como identificar os que trazem em si estes complexos? Às vezes a forma agressiva e presunçosa da pessoa se comportar já indica a presença destes distúrbios, mas em outros casos a presença dos sinais mais freqüentes é tão sutil, que só em momentos extremos de estresse ou ansiedade ela irá revelar explicitamente a presença destes sintomas. Diante do olhar social estas pessoas são, em alguns casos, caridosas, voluntárias em trabalhos beneméritos, preocupadas com o bem do próximo e da comunidade, mas simultaneamente ocultam no seu âmago o sentimento de serem melhores e mais nobres que as outras.

No momento em que as personas desmoronam, o homem revela-se como realmente é, muitas vezes cobrando por suas ações de generosidade, desvalorizando o esforço de outrem. A pressão das suscetibilidades e melindres é muito forte, assim como é difícil conviver com as críticas, aprender a aceitá-las, digeri-las, e utilizá-las a nosso favor.

Muitas vezes o Complexo de Superioridade é ativado como um mecanismo de defesa, diante de qualquer ameaça ao nosso Ego. Lutar contra um sentimento inconsciente, que não conseguimos olhar de frente, o qual rejeitamos mesmo quando temos um vislumbre dele, é uma tarefa que exige muita firmeza e determinação. É necessário muito domínio de si mesmo para viver com os traços de personalidade opostos em perfeita harmonia e ir além, valorizando os atos dos que nos cercam, seja qual for o contexto.
Pr. Josué Gonçalves
Wikipédia, a enciclopédia livre.

2 comentários:

Regiane Santos disse...

Ola, quero estudar sobre o sentimento de inferioridade, poderiam me indicar um livro e/ou autor cristão que fale sobre o tema dentro da cura interior?

Anônimo disse...

E parece haver COMPLEXO DE SUPERIORIDADE!
Pois uma RESPOSTA cairia normal...

* Embora o texto seja mara.