domingo, 1 de novembro de 2015

02 DE NOVEMBRO – DIA DE FINADOS

Os vivos sabem que vão morrer, mas os mortos não sabem nada.

“Sim, os vivos sabem que vão morrer, mas os mortos não sabem nada. Eles não vão receber mais nada e estão completamente esquecidos. Os seus amores, os seus ódios, as suas paixões, tudo isso morreu com eles. Nunca mais tomarão parte naquilo que acontece neste mundo. Portanto, vá em frente. Coma com prazer a sua comida e beba alegremente o seu vinho, pois Deus já aceitou com prazer o que você faz. Procure sempre parecer feliz e satisfeito. Enquanto você viver neste mundo de ilusões, aproveite a vida com a mulher que você ama. Pois isso é tudo o que você vai receber pelos seus trabalhos nesta vida dura que Deus lhe deu. Tudo o que você tiver de fazer faça o melhor que puder, pois no mundo dos mortos não se faz nada, e ali não existe pensamento, nem conhecimento, nem sabedoria. E é para lá que você vai”. (Pv. 9:5-10)

O dia de finados é umas das principais datas do calendário católico, e já vem sem sendo celebrado no mundo inteiro anualmente desde o século XI, quando os Papas Silvestre II (1009), João XVII (1009) e Leão IX (1015) obrigaram a comunidade a dedicar um dia aos mortos. No século XIII esse dia passou a ser comemorado anualmente em 2 de novembro. Desde então, nesta data milhões de pessoas vão aos cemitérios chorar seus entes queridos, procurando dar descanso aos espíritos deles no Purgatório através de suas missas. Além das missas católicas, no dia de finados é comum também haver nos cemitérios sessões afro-espíritas e outros ritos místicos, pois nas religiões afro-brasileiras este dia é especial para se cultuar e cumprir obrigações para com os eguns (espíritos dos mortos), Omolu, o senhor dos cemitérios, e com Exu Omolu, chefe da linha de cemitérios na Quimbanda.

E nós, os cristãos evangélicos, porque não celebramos o dia de finados?

Em primeiro lugar porque cremos que os mortos já tiveram seus destinos traçados em vida, ou seja, desde o momento em que partiram deste mundo já não há mais esperança para eles, sendo portanto impossível ocorrer qualquer mudança depois disto.

Em segundo lugar porque Deus não é Deus de mortos, e sim de vivos. (Lc.20:38). Por conseguinte, o texto da carta aos Hebreus esclarece isto mostrando que após a morte segue-se o juízo (9:27). Portanto, não existe salvação depois da morte e nem Purgatório, já que a Bíblia nem ao menos menciona este lugar e evidencia que ele é desnecessário, pois só o sangue de Cristo nos purga e purifica de todo pecado (1ª João 1:7). Sendo assim, missas e rezas pelos mortos são ineficazes, pois, não podem alterar sua condição pós-morte; colhemos irremediavelmente na outra “vida”, o que semeamos nesta. Pois é!

Segundo a Wikipédia, no dia de Finados “muitos costumam visitar os cemitérios para rezar e venerar a memória daqueles que já partiram” Mas para que visitar os corpos dos mortos, uma vez que cremos que seus espíritos já não estão mais ali? É bem verdade que o sentimento de saudade é algo inevitável, mas este sentimento perde parte da sua força com o passar do tempo, sobretudo quando cremos na ressurreição dos salvos, pois para nós a principal esperança pós-morte é esta.

No entanto, para os que não crêem na ressurreição, o problema mais grave deste dia é que nele se transmite uma mensagem de que os vivos (com as suas rezas e dedicação) podem determinar ou influenciar o destino eterno de seus entes queridos já falecidos. Esta mensagem de fato está enganando as pessoas porque o que a Bíblia afirma é que o destino eterno de cada um é decidido ainda em vida, por cada pessoa individualmente e não depois da sua morte, por alguma espécie de procuração dada a outros.

A este respeito Jesus nos ensinou assim: “Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que crê em mim, tem a vida eterna.” (João 6:47).

Você crê nEle? Já deu sua vida a Ele? Espero que sim. Bom! Só de estar lendo esta matéria, isso já é um bom sinal, pois quer dizer que você ainda esta vivo. Então fique tranqüilo e saiba que sua ressurreição para vida eterna está garantida na pessoa de Cristo Jesus. Agora só depende de você.

No amor de Cristo,

Pr. Antônio Ramos

Nenhum comentário: